Poesia Portuguesa (41) – Carlos de Oliveira

by manuel margarido

Poema pertencente ao livro com o mesmo título (datado de 1968), de um autor que tanto tentam classificar e, contudo, se escapa às gavetas em que o procuram arrumar, nada inocentemente, aliás. Aqui se afirma que Carlos de Oliveira é “ingavetável”. (O mesmo se aplica ao ilustre exercício de categorização exacta do que é prosa poética, do que será poesia prosódica.)

SOBRE O LADO ESQUERDO


De vez em quando a insónia vibra com a nitidez dos sinos, dos cristais. E então, das duas uma: partem-se ou não se partem as cordas tensas da sua harpa insuportável.

No segundo caso, o homem que não dorme pensa: “o melhor é voltar-me para o lado esquerdo e assim, deslocando todo o peso do sangue sobre a metade mais gasta do meu corpo, esmagar o coração”.

OLIVEIRA, Carlos de, Obras de Carlos de Oliveira, Editorial Caminho, Lisboa, 1992.

"Sobre o Lado Esquerdo" © Tiago Roldão, Olhares, Fotografia online (d.r.)