As Folhas Ardem

a poesia do mundo. o mundo da poesia. incêndios e queimadas.

Etiqueta: Vital Moreira

Se isto é um sindicalista…

Um tipo lê e pasma.

Para João Proença, Secretário Geral da UGT, a propósito de uma manifestação organizada pela central sindical que dirige, muitos mais manifestantes poderiam ter estado na rua e, se não o fizeram, foi «porque também entendem que neste momento de crise e de dificuldades há que ponderar bem as actuações concretas, se defendem bem ou não os trabalhadores». – lê-se aqui.

Um tipo não domina as subtilezas da lógica sindical de Proença e pergunta se muito mais manifestantes poderiam ter estado na rua num momento de prosperidade, crescimento económico e abundante fartura.

Mas o pensamento elaborado de João Proença vai mais longe: confrontado com a posição de constitucionalistas, entre eles  Vital Moreira e Jorge Miranda que afirmam ser o «caso de João Proença inconstitucional» aludindo ao Código do Trabalho em vigor (estabelece, no artigo 481º, que «é incompatível o exercício de cargos de direcção de associações sindicais com o exercício de quaisquer cargos de direcção em partidos políticos, instituições religiosas ou outras associações relativamente às quais exista conflito de interesses»), Proença, pertencendo à Comissão Política do P.S., desdramatiza airosamente a questão: «a Comissão Política do PS, de que faz parte, diz, «não é um órgão de direcção». «O órgão de direcção do PS é o órgão executivo, o Secretariado Nacional. A Comissão Política do PS emite opiniões». – lê-se aqui.

Um tipo faz um esforço, mas acaba por não perceber, evidentemente por culpa própria, se a Comissão Política do P.S. é uma espécie de «Forum TSF», «Opinião Pública» da SIC Notícias ou uma cervejaria de bairro em noite de bola.

Se isto é um sindicalista…(*)

Um sindicalista de mão cheia

(*) – Não costumo tratar pessoas por “isto”. Para esclarecimento, trata-se de uma citação indirecta, recurso de estilo totalmente despropositado e parvo, referente a «Se isto é um homem» de Primo Levi, um tipo que tinha umas ideias, não tão geniais e requintadas como o caso presente, é certo. Também não é hábito abordar questões ideológicas aqui, o que nem sequer é o caso, por manifesta inexistência de tema.

Pérolas (21) – A vitalidade do Vital

(No Expresso online de hoje)

“O PS não precisa de acasalar com outros partidos na Europa”

É este o título da notícia sobre as declarações do Professor Vital Moreira num jantar em Vila do Conde. (Em bom rigor ele afirmou: “não precisa de acasalar com outros para se reforçar no Parlamento Europeu“, mas o Expresso deu-lhe uma pitadina mais de sal.)

O estimável Professor Vital começa a ser um habitué nas ‘pérolas’ que amorosamente se juntam neste blogue. Porque só dá vontade de lhe fazer duas ou três perguntinhas:

– O PS não precisa de ‘acasalar’. Mas não quer? ‘(Acasalar’ é bom, dizem-me.)

– Em não ‘precisando’ de ‘acasalar’ na Europa, precisa de acasalar em Portugal?

– E ‘precisando’ de acasalamento em Portugal, tem em vista dar continuidade à espécie (ao poder)? É o inato impulso de espalhar a sementinha?

– O PS já discutiu, na sua Comissão Política, os prazeres do acasalamento ‘internacional’?

Questões Vitais. Questões de Vitalidade. Grande Vital, és danado pr’á brincadeira. Dentro do ‘torrão’, claro.

Palavra de honra…

(clique para ampliar)

'Vem Vital, que eu não levo a mal!'

'Vem Vital, que eu não levo a mal!'

‘O Rapto de Europa’ (1628-29), Peter Paul Rubens, Museo del Prado


Pérolas (20) – O flagelado

 

(No Expresso online de hoje)

Vital Moreira: Sem maioria absoluta Sócrates já teria morrido flagelado


O senhor Professor Vital não quereria sugerir “já teria morrido por ingestão de cicuta“? Sempre se cumpria uma tradição onomástica. E evitava-se esta referência ao imaginário cristão. Não, já não é impressão minha. A martiriologia vai ser a gramática e a retórica das eleições – de todas! – para o P.S.


"Na luta, morre-se de cicuta!" - Sócrates, citação apócrifa

"Na luta, morre-se de cicuta!" - Sócrates, citação apócrifa

A agressão a Vital Moreira e a estupidez de Canas

Vital Moreira foi agredido na manifestação do 1.º de Maio organizada pela CGTP. Uma estupidez grave: Vital Moreira, goste-se ou não, merece respeito. Como constitucionalista e parlamentar (brilhante) foi um dos ‘founding fathers‘ da Democracia representativa; a Manifestação do 1.º de Maio, goste-se ou não, merece respeito. Resulta de mais de um século de lutas por direitos que hoje consideramos fundamentais (Em 1875 o horário de trabalho diário de um trabalhador rural ou industrial media-se entre as 12 e as 16 horas diárias. Por exemplo.) Quem agrediu Vital Moreira não tem memória. Nem respeito. Terá sido coisa de arruaceiros, alterados ou gente doente. Mas seguramente um acto isolado e espontâneo. Dito isto, as declarações de Vitalino Canas, que leio no ‘Público online‘, são de uma desonestidade moral e política chocante. Afirmar que o sucedido é “o resultado do “ódio” instigado pelos comunistas e pela Intersindical ao longo desta legislatura. “A CGTP e o PCP criaram, durante esta legislatura, um ambiente de ódio. E este acontecimento foi a expressão desse ódio que foi sendo gerado contra o PSé entrar numa lógica de vitimização e procura de um clima de martiriologia que começa a parecer a gramática eleitoral de Sócrates e do PS. Uma estupidez nunca vem só. ‘L’ordure attire l’ordure.’

'O Canas é Socialista. E burro!'

'O Canas é Socialista. E burro!'

Vital Moreira ao P.E. A explicação.

Ao ser indicado como “cabeça-de-lista” do P.S às eleições para o Parlamento Europeu, Vital Moreira confessou-se surpreendido. Não sei porquê.

– O homem tem caução de esquerda, absolutamente conveniente nos dias que correm;

– É uma figura a caminho da aura de ‘senador’, fundamental para fazer pirraça a Manuel Alegre;

– É de Coimbra, como Manuel Alegre;

– É Constitucionalista (de resto brilhante), o que será de elevadíssimo préstimo no albergue espanhol de Estrasburgo;

– Tem muito mais currículo político que Miguel Portas, argumento absolutamente arrasador no momento político actual;

– É de estatura assim para o baixote, podendo desta forma tornar-se, num PE cheio de alemães, escandinavos e espanhóis de maior envergadura, símbolo da nossa idiossincrasia antropomórfica;

– Não é um ‘yes men’ E é um belíssimo parlamentar. No P.E. esse facto conta imensamente… nada.

– Finalmente, é um premonitório, um visionário, nestas coisas da Europa. Em 11 de Julho de 2005, escrevia estes augúrios sobre o referendo da Constituição Europeia, no blogue Causa Nossa. Viu-se.

«Nem tudo corre mal na Europa

Nem por ser esperada deixa de ser menos animadora a aprovação da Constituição europeia no referendo luxemburguês. Trata-se antes de mais de uma vitória pessoal do primeiro-ministro Juncker, que apostou o seu lugar no êxito do referendo. Em segundo lugar, trata-se de uma vitória dos que não se conformaram com o prematuro “enterro” do tratado constitucional por causa dos “chumbos” na França e na Holanda.
Neste momento o tratado já foi aprovado por uma maioria de Estados-membros. E quantos mais o fizerem, melhores condições terão para fazer valer a sua posição quando for do apuramento político que se fizer daqui a um ano sobre o que fazer da Constituição europeia. Nessa altura só terá voz e força quem tiver tomado posição…»

'785 deputados? Eu chego para eles todos!'

'785 deputados? Eu chego para eles todos!'