As Folhas Ardem

a poesia do mundo. o mundo da poesia. incêndios e queimadas.

Etiqueta: Equus

Natália Correia — O Cavalo

 

Ao Botequim da Graça, pelo discreto e constante trabalho, que reúne amigos, memórias, coisas presentes, projectos culturais.

E porque «fazem falta Natálias»

 

O cavalo


Teus poros exalam o fumo

Do lar dos deuses de onde vieste.

Rompante de espuma e de lume

És sol quadrúpede ou mar equestre?


 

Desfilando derramas o ouro

Do teu rio inacabável,

Desmedido relâmpago louro

De um deus equídeo possante e frágil.


 

Tudo existiu para que fosses

No contraluz desta madrugada

Mitológica proporção perfeita

Em purpúrea bruma recortada.


 

Pois que te é divino mister

Humanos olhos extasiar

A dúvida é só perceber

Se vieste do sol ou do mar.


 

Correia, Natália, 
Poesia Completa
Inéditos 1985/90 : Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1999

 

da série «Equus», Tim Flach, © Tim Flach, (D.R.)

 

(clique para ampliar)

Ângelo de Lima – Pára-me de repente o pensamento

Pára-me de repente o pensamento

Pára-me de repente o pensamento

Como que de repente refreado

Na doida correria em que levado

Ia em busca da paz, do esquecimento…


Pára surpreso, escrutador, atento,

Como pára um cavalo alucinado

Ante um abismo súbito rasgado…

Pára e fica e demora-se um momento.


Pára e fica na doida correria…

Pára à beira do abismo e se demora

E mergulha na noite escura e fria


Um olhar de aço que essa noite explora…

Mas a espora da dor seu flanco estria

E ele galga e prossegue sob a espora.


LIMA, Ângelo de, “Líricas Portuguesas”, seleção, prefácio e notas de Cabral do Nascimento: Lisboa, Portugália Editora, 1945

"Equus" © Tim Flach (d.r.)

O pescoço de Dante, um cavalo Lusitano, trabalho que integra o álbum “Equus” do fotógrafo britânico Tim Flach.
[Clique para ampliar]