As Folhas Ardem

a poesia do mundo. o mundo da poesia. incêndios e queimadas.

Etiqueta: Ângelo de Lima

Ângelo de Lima — EDD’ORA ADDIO… MIA SOAVE!…

fac-símile digitalizado do poema impresso (Biblioteca Nacional Digital)

 

Aos meus Amigos d’Orpheu

 

— Mia Soave… — Ave?!… — Alméa?!…

— Mariposa Azual… — Transe!…

Que d’Alado Lidar, Canse…

— Dorta em Paz… — Trespasse Idéa!…

 

— Do Occaso pela Epopéa…

Dorto… Stringe… o Corpo Enlace…

Vae A’Campa… — Ave!… — Alméa!…

 

— Não doi Por Ti Meu Peito…

— Não Choro no Orar Cicio…

— Em Profano… — Edd’Ora… Eleito!…

 

— Balsame — a Campa — o Rocio

Que Cahe sobre o Ultimo Leito!…

— Mi’Soave!… Edd’ora Addio!…

 

Ângelo de Lima, Poemas in Orpheu 2 (adoptou-se, no post, a transcrição ortográfica original do poema).


capa do livro «Ângelo de Lima, Poemas in Orpheu 2 e outros escritos»

(clique para ampliar)

Ângelo de Lima no portal da D-GLB

link para o sítio da Biblioteca Nacional Digital, que permite a descarga da «Orpheu» digitalizada

Ângelo de Lima – Pára-me de repente o pensamento

Pára-me de repente o pensamento

Pára-me de repente o pensamento

Como que de repente refreado

Na doida correria em que levado

Ia em busca da paz, do esquecimento…


Pára surpreso, escrutador, atento,

Como pára um cavalo alucinado

Ante um abismo súbito rasgado…

Pára e fica e demora-se um momento.


Pára e fica na doida correria…

Pára à beira do abismo e se demora

E mergulha na noite escura e fria


Um olhar de aço que essa noite explora…

Mas a espora da dor seu flanco estria

E ele galga e prossegue sob a espora.


LIMA, Ângelo de, “Líricas Portuguesas”, seleção, prefácio e notas de Cabral do Nascimento: Lisboa, Portugália Editora, 1945

"Equus" © Tim Flach (d.r.)

O pescoço de Dante, um cavalo Lusitano, trabalho que integra o álbum “Equus” do fotógrafo britânico Tim Flach.
[Clique para ampliar]