Alberto de Lacerda — Maio

by manuel margarido

 

Maio
Quer dizer sem faixa
Nu
Maio
Quer dizer formoso
Do princípio ao nu

Maio
Quer dizer a gaia
Sensação espraiada
Da flor em cometa
Sem fim

Maio
Quer dizer o lume
Do perfume lúbrico
Upando-se
Insensato

Maio
Quer dizer o monte
E quer dizer o tronco

Maio
É um ai enorme
Em que o a se exalta
Em que o i não chora

Ai
Maio
Ai
Ditongo muito aberto
No campo possuído lenta-
Mente por um M fecundo
Rindo enquanto tudo
Dilata e esplende

Londres, 1971.

Lacerda, Alberto de, Colóquio/Letras n.º 11, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, Janeiro de 1973

Breakable, Martin Stranka © Martin Stranka, via Deviantart (D.R.)

 

Link relacionado:

Sobre Alberto de Lacerda

Advertisements