José Tolentino Mendonça — «O Mistério está todo na infância»

by manuel margarido

A história já é conhecida e pode ser lida aqui. Mas sauda-se a escolha de Tolentino Mendonça para o núcleo de criadores convidados por ocasião da celebração do 60.º aniversário da ordenação sacerdotal de Bento XVI, uma das personagens mais rotuladas e pior conhecidas na sua obra de reflexão filosófica e teológica, em pleno estado da arte do pensamento contemporâneo (fora isso, ainda é Papa).

O poema, esse, leva por título a enunciação de um dos fundamentos da psicanálise. Chega para lê-lo? Não. Seria como dizer que Ratzinger é alemão, feio e conservador.

O Mistério está todo na infância

 

E, por fim, Deus regressa
carregado de intimidade e de imprevisto
já olhado de cima pelos séculos
humilde medida de um oral silêncio
que pensámos destinado a perder

Eis que Deus sobe a escada íngreme
mil vezes por nós repetida
e se detém à espera sem nenhuma impaciência
com a brandura de um cordeiro doente

Qual de nós dois é a sombra do outro?
Mesmo se piedade alguma conservar os mapas
desceremos quase a seguir
desmedidos e vazios
como o tronco de uma árvore

O mistério está todo na infância:
é preciso que o homem siga
o que há de mais luminoso
à maneira da criança futura

 

 

A tradução para italiano que Bento XVI vai ler foi feita por Manuele Masini.

 

Tutto il mistero risiede nell’infanzia

E, finalmente, Dio ritorna
carico di intimità e d’imprevisto
i secoli ormai lo osservano dall’alto
umile misura di un orale silenzio
che credevamo destinato alla sconfitta

Ecco che Dio sale la scala ripida
che abbiamo ripetuto mille volte
e si trattiene in attesa senza nessuna impazienza
con la dolcezza di un agnello malato

Di noi due, chi sarà l’ombra dell’altro?
Anche se nessuna pietà conserverà le mappe
scenderemo quasi subito
smisurati e vuoti
come il tronco di un albero

Tutto il mistero risiede nell’infanzia:
è necessario che l’uomo segua
ciò che di più luminoso esiste
come fosse il fanciullo futuro

 

José Tolentino Mendonça
© SNPC | 30.06.11

Fonte: — Agência Ecclesia

«Long Lost Childhood», toy camera © toy camera, via Deviantart (D.R.)