Ana Marques Gastão — «Sê lenha»

by manuel margarido

 

 

«Sê lenha»

 


Enquanto a faca corta o alimento,

a boca atrasa o corte, o paladar,

a sorte, a criança devora o que tens

e a vontade pede-te: «sê lenha».

Anda, suporta teu corpo de ferida

cicatriz ou nome, és esqueleto bravio

carne e voragem, sino que ressoa,

te ensurdece e desmorona.

Do mar, a terra, da terra a água,

do fogo, o ar, só é exterior o interior

que se evapora em solução iodada

e te abafa no fumo metálico e molda

uma sombra, o ombro, a mão. Mas olha,

vê, escuta o som impaciente da lenha

afundada no sal, conta a história,

repete a única história que te faz viver.

 


Gastão, Ana Marques, Adornos, 2010 (em publicação) → encontrado no site «Poems from the Portuguese»

 

 

Marina Ćorić © Marina Ćorić, via Deviantart (D.R)

 

Links Relacionados:

Uma boa página (datada) sobre Ana Marques Gastão.

Página do Instituto Camões sobre a autora.