Sophia de Mello Breyner Andresen — Porque os outros se mascaram mas tu não

by manuel margarido

 

É um poema tão lido, digerido, tão bandeira, tão utilizado, manipulado, instrumentalizado, tão já lugar comum, que nos esquecemos de o ler como se o lêramos pela primeira vez. Mas raios me partam se hoje não me veio à cabeça a tarde toda. E a noite.

Porque os outros se mascaram mas tu não

Porque os outros se mascaram mas tu não

Porque os outros usam a virtude

Para comprar o que não tem perdão.


Porque os outros têm medo mas tu não.

Porque os outros são os túmulos caiados

Onde germina calada a podridão.

Porque os outros se calam mas tu não.


Porque os outros se compram e se vendem

E os seus gestos dão sempre dividendo.

Porque os outros são hábeis mas tu não.


Porque os outros vão à sombra dos abrigos

E tu vais de mãos dadas com os perigos.

Porque os outros calculam mas tu não.


Sophia de Mello Breyner Andresen

«Chains», by Markus © Markus, via Deviantart (D.R.)