Diz-me o «Seringador» — Ao luar de Janeiro, vê-se a raposa no outeiro.

by manuel margarido

 

 

«2010 Brightest Moon», Joseph Choi © Joseph Choi, via Deviantart (D.R.)

(clique para ampliar)

 

 

«Lua cheia às 21h e 21 m a 1 grau em Leão. Bom tempo. Procede-se à limpeza e adubação dos pomares. Adubam-se, podam-se e limpam-se as árvores, devendo tratar-se as fruteiras de modo a dispensar-lhes os precisos cuidados preventivos contra as doenças e parasitas animais. Procede-se à transfega do vinho, ou seja, à passagem do vinho novo de uma vasilha para outra com o fim de o separar do seu depósito (borras) localizado no fundo da vasilha. — Ao luar de Janeiro, vê-se a raposa no outeiro.»

Este mimoso naco de sabedoria é aposto ao dia de hoje, no «Seringador» que por desfastio substituí este ano ao habitual «Borda d’Água». Diz-me muito de um mundo que já me diz pouco: a infância e o campo. No campo, os velhos garantiam ser a lua de Janeiro a mais bonita do ano (e apetece pensar que, no campo, «os velhos» também tinham um sentido estético lá deles). Na linguagem urbana do almanaque a retórica maneirinha é suave; mas em Janeiro tudo era duro: «dispensar-lhes os precisos cuidados preventivos» era trabalho árduo, cortante; a trasfega não era um ritual, mas pedia força e experiência, coisa de homens. E o adágio, que deve ser muito antigo, decerto nortenho, é tão belo como esta noite em que podemos ver as raposas no outeiro.

*

O «Seringador» não nos actualiza, porque a sua função é que nos desactualizemos. Por isso não refere acontecimentos como a fundação do Sporting Clube de Braga (1921), meu sexto clube preferido e aquele que tem o estádio mais bonito do mundo, sem esquecer que ganhou uma Taça de Portugal (e a única Taça da Federação Portuguesa de Futebol; estou aliás convencido que a conquistou para a exterminar, num gesto que só revela a grandeza da agremiação).

Sporting Clube de Braga 2009 - 2010 (Sp. Braga 1 - F.C.Porto 0) © maisfutebol.iol.pt

O «Seringador» não nos actualiza, porque a sua função é que nos desactualizemos. Por isso não refere o aniversário do nascimento de Eugénio de Andrade (1923) e a passagem de quatro anos sobre a morte de Fiama.

A um poema

A meio deste inverno começaram
a cair folhas demais. Um excessivo
tom amarelado nas imagens.
Quando falei em imagem
ia falar de solo. Evitei o
imediato, a palavra mais cromática.

O desfolhar habitual das memórias é
agora mais geral e também mais súbito.
Mas falaria de árvores, de plátanos,
com relativa evidência. Maior
ou menor distância, ou chamar-lhe-ei
rigor evocativo, em nada diminui

sequer no poema a emoção abrupta.
Tão perturbada com a intensa mancha
colorida. Umas passadas hesitantes.
entre formas vulgares e tão diferentes.
A descrição distante. Sobretudo esta
alheada distância em relação a um Poema.

Brandão, Fiama Hasse Pais, Três Rostos, Lisboa: Assírio e Alvim, 1989