Luís Filipe Castro Mendes – Os Altos Nomes

by manuel margarido

 

 

Começa-se de cada vez a escrever, não há mediação entre o amor e a larga esperança. Quanto te disse, toma-o pelo mais claro silêncio que nos coube. Já foi tempo de adivinhar o teu corpo entre as pedras e a amargura. Agora foi o dia e o sabor de ti que me abandonaram, entregue às árduas palavras e a uma mais acesa alegria. Os altos nomes.


Mendes, Luís Filipe Castro, Recados, Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1983

(primeiro poema do primeiro livro de poesia do autor)


«Left», Part of the series Crushed-Stitched-Left, Florian © Florian, via Deviantart (D.R.)

 

Links Relacionados:

Luís Filipe Castro Mendes

 

Advertisements