“Padrões Poéticos & Léguas de Poemas”, ou do «Ajavardamento Poético» como um lugar asseado.

by manuel margarido

Então recebe-se um “comentário” assinado por “Abóboras Mecânicas” e torce-se logo o nariz; e o comentário pede a divulgação de um evento e revolve-se a gente logo na cadeira; e o comentário remete para o blogue “Ajavardamento Poético” e fica-se à beira de apagar a coisa. Pelo sim pelo não vai-se ver. E a surpresa é grande. Porque “Abóboras Mecânicas”, num divertido jogo de deslocação das laranjas,  é o nome de guerra de um grupo de alunos, mais concretamente alunas, todas raparigas (que andais fazendo, rapazes, a assobiar o adágio de que a poesia é coisa de meninas?). Alunas do 12ºE da Escola Secundária do Padrão de Légua. Ana Cardoso, Ana Teles, Bruna Gonçalves, Isabel Piano e Mafalda Gomes, para que conste, o anonimato fica-lhes tão mal. E então visita-se o blogue, o tal Ajavardamento Poético, e pasma-se a sério. É um belíssimo sítio de partilha e vivência da poesia, com surpreendente critério e notável atenção à poesia, com forte focalização nos “novos autores”, que se percebe lidos com intensidade e divulgados com gosto. Ou, como se diz no perfil do blogue: «No âmbito da disciplina de Área de Projecto as Abóboras Mecânicas fazem surgir um espaço onde todos podem javardar. Um espaço asseado porém. Um espaço onde se sublimam as palavras e os dizeres. Um espaço de voo. Convida-se toda a Comunidade Escolar a entrar. Sirvam-se da nossa língua sirvam-se do que vos grita o íntimo sirvam-se deste blogue.». Um espaço asseado, sim. Que se atreveu, e quase se escapava a finalidade do post, a esta proeza: organizar um evento que reunirá um valoroso grupo de poetas na próxima quinta-feira, dia 25 de Março, pelas 15h, na Casa-Museu Abel Salazar em São Mamede de Infesta. Não carece de mais informação, esta notícia de carácter publicitário: até o cartaz, em baixo, pede meças a muitos trabalhos profissionais.

Mas suscita uma sugestão: quem questiona as novas tecnologias (e a perniciosa internet) como perigo potencial para a aprendisagem, vá ajavardar as ideias no blogue referido. Talvez elas, as ideias, fiquem mais límpidas. Ainda uma outra interrogação: poderá um professor de Língua Portuguesa, que se limite a cumprir a sua função by the book, estimular o gosto pela poesia que as possibilidades de uma plataforma como um blogue colectivo oferece? Talvez. Mas por que não os vemos mais, a eles professores, no lugar de dinamizadores e/ou participantes? São tão poucos os que o fazem.

(Felicitem-se, já agora, os poetas cúmplices com estes “Padrões Poéticos & Léguas de Poemas:” Amadeu Batista; Daniel Maia-Pinto Rodrigues, Jorge Velhote, Nuno Dempster, Sara Canelhas, Teresa Tudela, Viale Moutinho, Vicente Ferreira da Silva).

Padrões Poéticos & Léguas de Poemas

(clique para ampliar)