Camões – o meu soneto

by manuel margarido

Da produção lírica camoniana, este soneto teve sempre um lugar próprio e destacado no meu gosto. O enjambement do segundo verso de cada estrofe obriga a uma leitura delicada, atenta ao lugar onde a pausa deve ser feita. O primeiro verso, por exemplo, deve naturalmente ser suspenso na primeira palavra do segundo, Labão. Mas requer uma suspensão subtil, que não faça perder o ritmo do verso de dez sílabas e a fluidez do poema. O tema, claro, é de uma beleza fulgurante. Hoje pode, a justo título, ser entendido como uma apologia da estupidez. Mas é ‘o meu soneto’.

[o soneto foi publicado em em 1595, quinze anos após a provável data da morte do poeta. E é um pretexto muito expressivo para assinalar o ‘dia da raça’]

Sete anos de pastor Jacob servia

Labão, pai de Raquel, serrana bela;

mas não servia ao pai, servia a ela,

e a ela só por prémio pretendia.


Os dias, na esperança de um só dia,

passava, contentando-se com vê-la;

porém o pai, usando de cautela,

em lugar de Raquel lhe dava Lia.


Vendo o triste pastor que com enganos

lhe fora assi negada a sua pastora,

como se a não tivera merecida,


começa de servir outros sete anos,

dizendo: “Mais servira, se não fora

para tão longo amor tão curta a vida.”

'Mais sete anitos com as ovelhas, grande totó'

'Mais sete anitos com as ovelhas, grande totó' - (Bazzano, Itália © Sílvio)

(clique para ampliar)