Poesia Portuguesa (V) – Luiza Neto Jorge

by manuel margarido

AS MENINAS


Secámos à mãe

seu leite de mãe

mas não desatámos

do cordão os nós

Infuso no corpo

algo se rebela

são as luas dela

que não brilham em nós


Nosso pai amámos

num amor sem termos

com dentes de leite

com um fio de voz

e se ele nos não queria

no quarto o degredo

era não sabermos

como nos traía


Quando os apanhámos

nos degraus do trono

a lutar de amor

depois mudos, quedos

a morte aflorou-nos

mas não enfiámos

na ficha de elec-

tricidade os dedos.


Fugiu-nos a mão

a forçar o sôfrego

o fluente túnel

onde ainda é cedo.

Pegamos num livro

vamos aprender

na ponta da língua

os novos dizeres,

o primeiro sangue

é que mete medo.


Luiza Neto Jorge, A LUME, p. 29/30, Assírio & Alvim, Lisboa, 1989.

"A familia" (1988) © Paula Rego

"A família" (1988) © Paula Rego